Saber comer é pura informação

http://www.noticiasmagazine.pt/2014/saber-comer-e-pura-informacao/

Excertos:

São alimentos para ver…
Os produtos que nos chegam ao prato foram feitos para vender e não para comer. Não têm nada que ver com os alimentos que ingerimos e que nos fizeram viver e sobreviver ao longo de milhões de anos. Esta mudança ocorreu tão depressa que o organismo não está adaptado para gerir, digerir e assimilar estes produtos, pelo contrário, vê-os como substâncias estranhas e reage, inflamando-se.

Podemos dizer que há alimentos anti-inflamatórios?
Claramente. Os que têm ómega 3 – sardinha, cavala e os peixes das águas frias do Norte. Algumas substâncias vegetais dos legumes (tomate), frutos (quivi) e especiarias (a curcuma, que confere a cor amarela ao caril) também têm efeito modulador de alguns genes pró-inflamatórios. Mas alimentos anti-inflamatórios devem ser consumidos, independentemente de se ter doença ou não. Hoje sabe-se que um cérebro com Alzheimer já está inflamado vinte anos antes da manifestação da doença. Todas as doenças degenerativas começam com processos inflamatórias, as autoimunes também. Não conhecemos é as causas.

Há substâncias que devem mesmo ser eliminadas da alimentação?
Os aditivos químicos. Falo das substâncias químicas que não são alimentos, que são usadas pela indústria alimentar e podem ser geradoras de inflamação em contacto com o organismo. A vida corrente não nos permite evitar todos os aditivos, mas se estivermos despertos para esta realidade teremos mais atenção, faremos escolhas mais saudáveis e ingerimos menores quantidades.

Nos supermercados temos centenas de alimentos à escolha. Precisamos de tanta coisa?
Não precisamos de tantos produtos alimentares, necessitamos é de maior diversidade alimentar. Essas centenas ou milhares de produtos que vemos nas prateleiras são provenientes de quatro ou cinco alimentos – cereais, lácteos, açúcares e gorduras – e da indústria de processamento. Se olharmos para a quantidade de legumes, frutos, oleaginosas e peixe que as pessoas comem no dia a dia verificamos que não há variedade alimentar, as pessoas comem quase sempre o mesmo. Já pensou na variedade de saladas que é possível fazer? Mas se perguntar a alguém qual é a que come diz-lhe alface e tomate.

Advertisements

Concurso de Ideias de inovação social

http://www.cis-m.org/

 

Fase Seleção – Período de candidaturas – 5 de Março a 24 de Abril de 2014 De acordo com o Regulamento do IS CIS-M, as ideias de inovação social concorrentes deverão ser apresentadas de 5 de Março a 24 de Abril de 2014, através de um formulário on-line disponível aqui.

Divulgação das ideias finalistas No dia 13 de Maio, serão divulgadas as 10 ideias finalistas, selecionadas a partir da análise do formulário de candidatura, de acordo com os critérios de avaliação do Anexo 1 do Regulamento. As 10 ideias selecionadas vão passar à Fase de Capacitação, para participarem no Campus de inovação social.

Fase de Capacitação – 23 de Maio a 24 de Maio As 10 ideias selecionadas pelo painel de júri para passar à Fase de Capacitação terão acesso ao Campus de Inovação Social, onde receberão o prémio de capacitação para participar do Campus de Inovação Social com a INOVA+ e alguns empreendedores sociais de destaque para ajudarem a desenvolver a ideia. A presença de cada um dos finalistas nesta ação de capacitação é obrigatória.

Fase Final – 30 de Maio A Etapa Final culmina com a Sessão Oficial do IS CIS-M no dia 30 de Maio, onde as 10 ideias finalistas competirão pelos prémios do IS CIS-M. Esta sessão é aberta ao público. O sucesso no concurso de ideias IS CIS-M depende em parte, em como efectivamente os empreendedores sociais e aspirantes a empreendedores sociais conseguem apresentar/ comunicar as suas ideias perante um painel de júri. Boas competências de apresentação podem ajudar em fazer o “pitch” mais efectivo.

Apresentações fortes apresentadas com energia e convicção serão capazes de contar uma história que cria empatia emocional e racional Na fase final do concurso, cada equipa apresentará assim as suas ideias a um painel de júri – as ideias foram previamente preparadas para esta fase final.